sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Noite de bruxas

Que noite de bruxas, húmida e fria, pouco acolhedora!
Mas se tiverem de percorrer caminhos, não se detenham nas encruzilhadas. Protegidos por bons agasalhos e botas impermeáveis, escutem os sons nocturnos e façam um esboço de dança... mas lamentem o pobre condenado que percorre as sete vilas encasteladas. Quanto não vale um serão à lareira, contar uma boa história de bruxas e lobisomens!
Abóboras esculpidas, não há! Ah, mas um feijão com mogango a fervilhar na panela de barro, um cozido de grão, uns brenhóis salpicados de açúcar e canela... E um bom chá de poejos, para afastar catarros que assustam mais que os medos.

2 comentários:

Alexandre disse...

Chá de poejos, humm, nunca bebi mas não vou perder tempo pela demora - amanhã vou apanhar uns poejos que a minha mãe semeou... obrigado!!!

Bichodeconta disse...

Então vou fazer um licor de poejos e guardo-te uma garrafita.Pequena, claro, não se pode beber muito.E que tal uma sopa de peixe, cação por exemplo.És servido Alex?E açorda onde podes substituir os coentros por poejos? Já sei, tu és mais de papa milupa, mas olha que isso é bom..digo eu..Bjs