quarta-feira, 1 de abril de 2009

Ecopista - outra perspectiva

A velha ponte de ferro, onde já se esquece o trepidar das carruagens e as viagens à Torre da Gadanha, a máquina ruidosa a surgir da Trincheira, o carvão de pedra espalhado ao longo da via, os jogos de equilíbrio nos carris... Reanima-se, reinventa-se, a velha ponte. Cá em baixo, o lugar que julguei ser o centro do mundo guarda memórias não partilhadas no vazio da rua do monte.


4 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

Pois...
Além disso, se houvesse "juízo" lá onde era essencial que o houvesse, seria o caminho-de-ferro que, em nome da defesa do planeta, seria reactivado e não construídas mais estradas e auto-estradas que multiplicam exponencialmente a poluição e a levam a mais recantos desta nossa já sacrificadíssima Terra!

Hugo disse...

Ola

eu gostava dar um voltinha neste percuso e fazer algumas fotografias !!!

Hugo disse...

Obrigado tambem pelos comentarios no meu blog !!!

Eu não comprende muito bem :
Voce tem postais antigos sobre costume do alentejo ???

ate brevemente

Ezul disse...

Pois, mas é aí que se coloca o grande desafio que é a capacidade de conciliar a noção de “desenvolvimento” com a necessidade imperiosa e urgente de defender o ambiente, defesa esta que passará pela transformação sistemática e permanente dos valores e dos comportamentos. É verdade que as questões ambientais estão na ordem do dia mas creio que ainda é difícil ver ou actuar para além do que é imediato. Poupa-se água apenas no pino do Verão, as campanhas para prevenção dos incêndios decorrem quando o País já está a arder, os campos ficam por cultivar, desperdiçam-se recursos… Enfim, são os “pensos rápidos” para obter “soluções” fáceis, empurrando os problemas para mais tarde. E não se passará o mesmo com a “crise”? E o que aconteceu com os combustíveis? Problemas (falsamente) superados, velhas atitudes retomadas.