segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Taipa


Ainda que não tenha memória da cadência do “apisoar” da terra dentro dos taipais, cada vez que encontro velhas paredes de taipa paro no tempo e observo os testemunhos de uma relação estreita entre o homem e o meio, de um equilíbrio que parece estar irremediavelmente perdido. Testemunho da terra que o Sul ofereceu às mãos dos mestres: o retorno ao seio materno simbolizado pela mamoa, a fertilidade do ventre configurada em sementeiras e frutos, a terra construída como abrigo - alicerces erguidos do chão e a ele regressados, terminado o ciclo.
Gosto de encontrar vestígios de taipa, essas já raras páginas de um livro onde se inscreveu “a poesia da terra”, a ancestral e equilibrada sabedoria de homens que conciliaram a terra e a pedra, o barro e o fogo. E que depois, num requinte de artista, lhe acrescentaram o branco da cal e o contorno do azul, talvez um pouco de mar, talvez um céu ímpar…

13 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

FECHADO PARA OBRAS??!!
Não acredito!!
Só pode ser pirataria ou o tal virus que plantou "isto" aqui!
[Se é o que eu penso...]

Carlos Machado Acabado disse...

...ou será que "se pega"?...

Ezul disse...

Não, não é o blog que precisa de obras, ainda que pretenda introduzir uma pequena alteração. A autora é que precisa, urgentemente, de obras (e, já agora, de passar pela loja de informática com o pc)e, por isso, vai à procura de materiais de (re)construção...energética? solar? positiva? corajosa?...
Logo se vê!!!!

Carlos Machado Acabado disse...

Ficamos, então, à espera de novas...
... que se esperam boas, claro!
Ah! E que as "obras" sejam um sucesso, em qualquer caso, ham?!...

Quer haja "depois", quer não...

Sofá Amarelo disse...

Em matérias de PC posso afirmar-te que não vale a pena mandar arranjar... asseguro-te! Computador mexido nunca mais é computador definido (foi só para rimar)!

Compensa investir num novo... sempre! (bom, na minha perspectiva!)

Muitos beijinhos e que estas obras não sejam como as das nossas auto-estradas!

Carlos Machado Acabado disse...

Bolas!
Já tenho o nariz todo vermelho de... bater na taipa, de cada vez que aqui venho!
Assim, não!
A reforma não dá para pagar o hospital, de cada vez que lá vou para mo endireitarem...
Não se faz!
Faz favor de tirar daqui "isto" e deixar a gente ver a 'terra fluir' de novo, ouviu?!
Ai! Ai!

Ezul disse...

Eu gosto de taipa, da que vou encontrando em montes perdidos pelo Alentejo, dos tons avermelhados de Marraquexe... Trata-se, nas palavras do arquitecto Alegria,da "poesia da terra".
Esta taipa é para ficar, ainda que venha a sofrer alterações, mas para admirar e não para causar danos.
:)

Carlos Machado Acabado disse...

Pois... o problema foi convencer o meu nariz disso...
Mas eu tenho esperança de que, quando lhe tirarem o gesso, vou conseguir convencê-lo...
Mas não sei... o meu nariz é um nariz muito senhor do seu... homem, vamos ver...

Ezul disse...

Algum destes comentários é para apagar? Lá se vai a estatística, eh,eh,eh!

Ah, e haverá muro com mais comentários?
Este também é para derrubar!!!
:)

Carlos Machado Acabado disse...

Pronto! Se o problema é esse, não comento mais---que a terra precisa de descansar, pelos vistos!
Fica o meu modestíssimo espólio anterior [menos os "outros"...] com a promessa de que a suspensão [prevista para durar até que se encontre um tema melhor do que... a taipa] dos comentários futuros em caso algum, se fará, acompanhar de novas suspensões.

É uma promessa solene feita em nome da... estatística...

Ezul disse...

Uma terra espantosa que flui por aqui:
http://armindoalves.blogspot.com/

lis disse...

Chego através de um blog que tem também o cheirinho de Terra Viva e encontro a poesia fluindo aqui.
Vou ficar e sentir os pés também nessa sua terra , beber um pouco ds suas palavras sem sugar e pra compartilhar tenho sempre no meu espaço qualquer coisa assim meio saudade meio lembranças ...
Te vejo por lá
abraços

juju disse...

Eu só lamento que apareçam fotos destas porque é mau sinal.o mundo esquceu-se de estimar a sua história.
montes caídos por toda a parte...quintas abandonadas invadidas pelas silvas e outros matagais ...ruinas!