quarta-feira, 10 de março de 2010

Passeios de Primavera

Depois de meses intermináveis de frio, chuva e horizontes fechados, a extraordinária luminosidade dos últimos dias vem despertar uma vontade imperiosa de partir à (re)descoberta de percursos, de paisagens e de sabores da região alentejana. Não sendo possível conciliar todas as actividades, reste-nos, ao menos, o apontamento das feiras, dos festivais e das caminhadas, para utilização futura, desejando que a Primavera tenha, finalmente, começado a instalar-se por aqui. Ficaram para trás a Feira dos queijos de Serpa, o ciclo gastronómico “As Ervas da Baronia” (Alvito), o Festival das Açordas (Portel) mas… aí estão outras razões para saltitar de terra em terra: a Feira do Azeite de Vale de Vargo (Serpa), o festival “A Pão e Laranjas” (Vidigueira) e, se não falhar, uma Feira de Plantas Aromáticas, Alimentares e Medicinais (Orada – Borba). Bem sei que não referi os festivais gastronómicos de caça, ou dos outros sabores do Montado, mas esses reservo para quem os aprecie. Por mim, fico-me por um bom pão caseiro, uma mão cheia de azeitonas, um queijito de ovelha, uns espargos ou cardos, o aroma dos poejos e da hortelã e, de preferência, pela possibilidade de calcorrear veredas e azinhagas, de seguir o curso das ribeiras e de admirar a biodiversidade das Serras e dos Montados. Ah, e depois de cada passeio pelo campo, um momento para escutar a sabedoria dos mestres artesãos, dos velhos pastores e bordadeiras ou de algum idoso como aquele que, ainda ontem, por volta de um meio-dia ensolarado, se desviou do seu caminho só para me vir perguntar, numa alegria infantil e perfeita que apontava para o céu: “Quanto dá por um dia assim?”
:)

9 comentários:

perfume de laranjeira disse...

Obrigado pelo "Brilhozinho nos olhos" do Sérgio, luz que me alumia a noite de trabalho e frio cortante lá fora.
Cada vez gosto mais de visitar o teu blogue; é verdadeiro, nele encontramos a essência, a beleza... o fluir da terra (ao contrário de outros onde os postes sabem a artificiais, secos, vazios...)
o teu é tão puro, tão verdadeiro! Faz-me bem passar por aqui! Obrigado pela beleza que distribuis aos teus leitores.
E o Festival do Pão e Laranjeira, na Vidigueira, isso interessa-me, apetece-me lá ir, talvez renovar o meu perfume... Sabes as datas, o programa? Diz-me, sim?!

Um beijo

lis disse...

Ezul,
Imagino esse seu desejo de procurar o sol e os dias mais claros ,passeando pelas suas paisagens ainda úmidas dos dias chuvosos. E como gosto de ler seus textos, são simples e límpidos.Gostaria tanto de fazer o contrário, caminhar num dia nublado ,sem muito sol , apenas uma brisa e até arzinho frio, que pudesse vestir aquele casaco marron clarinho combinando com o ceu com nuvens rs é que aqui estamos todo dia a mais de 40°( no meu blog o tempo marcava 38 mas eu sentia 50 !!rsrs
Vou ficar aqui torcendo que tenhas dias ensolarados, mando umas réstias do meu sol pra ti.
E obrigada pelo cheirinho da hortelã , do pão caseiro ( como é bom)!aceito também as azeitonas e o queijo e por favor fotografe as ribeiras ! e conte mais sobre o que ouve das sábias bordadeiras e artesãos. Adoro ouvi-los, mas moro no centro urbano e conversa-se pouco!
Ezul, perdoe a divagaçao ,culpa desse blog encantador, é noite alta vou colocar o ponto final.
beijinhos

Hugo disse...

ola Ezul

Como vai ?

no meu blog, Montemor o Novo na Internet, não há verificação das palavras.
e só um clic "enviar comentário"

( confirma me que funciona, faz favor )

obrigado e bom fim de semana também

Carlos Machado Acabado disse...

Não tem [directamente, pelo menos] que ver com a 'entrada' do blogue mas permito-me vir aqui sugerir que cada blogue insira---de modo a constituir-se uma cadeia tão ampla e 'audível' quanto possível de denúncia relativamente à situação em causa---alguma referência aos recentes casos de morte ligados ao fenómeno do 'bullying' ou "linchamento moral" de alunos e professores nas escolas portuguesas.
É verdadeiramente inacreditável e, de todo, inadmissível aquilo que está a acontecer ou melhor: aquilo que deixou de ser passível de ser escondido mas que há muito vinha acontecendo com a cumplicidade objectiva [e, por conseguinte, o encorajamento perversamente silencioso] da tutela e da comunidade escolar em geral.
Como digo no meu próprio espaço, A EDUCAÇÃO NÃO PODE SER CAUSA DE MORTE EM PORTUGAL!
É preciso que a Cidadania, todos nós, reflictamos muito seriamente sobre o que se passa nas escolas portuguesas e decidamos se é ISTO que pretendemos para os nossos filhos, para os profissionais da prática educativa e para a sociedade portuguesa, de uma forma geral: ter os jovens sob nossa responsabilidade apenas... "arrumados" sabe Deus como [num sítio de onde podem sair, um dia, para não mais voltar ---os factos recentes provam que isto deixou de ser apenas uma possibilidade para passar a ser, na realidade, um facto] ou, em alternativa, tornarem-se eles próprios nos responsáveis morais por que isso aconteça a outrem, aluno ou professor.
É vital que a Educação deixe de ser gerida como um laboratório de "experiências" avulsas levadas a cabo sem critério por meia dúzia de fulanos que por ali passam numa espécie de trânsito fugaz para outras sinecuras num corropio indecoroso misto de de carreirismo e pura incompetência, em muitos casos; "experiências" empreendidas aos sacões, ao acaso de uma perversa "inspiração" de momento que, no outro imediatamente a seguir, deixou de actuar, sem ouvir os técnicos ou até CONTRA a opinião dos técnicos no terreno, numa permanente confusão entre Educação, mera Contabilidade quando não negocismo puro e simples [haja em vista aquela porta que a E.P.E. abriu às grandes negociatas imobiliárias e não só] com uns impensáveis desplantes de circunstância na direcção de um, também ele, inimaginável "public relations", como foi o "caso" da "avaliação" do trabalho pedagógico e até, na prática, didáctico pelos encarregados de educação que é uma coisa que, aparentemenmte, não lembraria... ao diabo!
Todo este desordenamento conduziu ao caos actual!
Acabemos com isto!
Se uma pessoa passa metade da vida a preparar-se para ensinar alguma coisa deve perceber do assunto, não?
Ignorar pura e simplesmente ao seu contributo essencial para o bom funcionamento do sistema educativo não é apenas incompreensível: é pura estupidez com a qual não se pode definitivamente mais pactuar, agora que já começou [literalmente!] a morrer gente!
ISTO NÃO PODE CONTINUAR!

marialascas disse...

A voz de José Afonso é de certeza um magnífico fluir da terra!

João Soares disse...

Olá, Maria Rosa, obrigado pela tua sugestão. Já adicionei o Terra Viva! Não conhecia o teu "Fluir da Terra". Parabéns!
Sou teu "seguidor"..lol
Conheces a minha página de fãs http://www.facebook.com/pages/BioTerra/383283630180?
Beijinho!

Armindo C. Alves disse...

Olá Ezul
O teu espaço tem o cheiro da terra, o cheiro do campo quando chove e os primeiros raios de sol desenvolvem a evaporação. Tem o mistério das grandes planícies alentejanas que eu tanto gosto de percorrer e por vezes percorro no teu blog.
Parabéns.

Beijo.

Sofá Amarelo disse...

Já sinto o aroma da Primavera, quando a alfazema desponta e dá cor aos campos verdejantes de um Alentejo mágico...

Carlos Machado Acabado disse...

Just dropping by for the sheer pleasure of seeing Mother Earth flow once more---before calling it a day...