segunda-feira, 17 de maio de 2010

Beleza







A beleza surge assim, quando menos se espera, à beira de um caminho, em lugares recônditos. Selvagens, bonitas e discretas, as pequenas orquídeas são registos singulares da preciosidade de uma terra que urge sentir e respeitar, de uma terra que é o próprio destino humano. Comover-se-á o homem com o seu próprio destino? Não será o seu gesto mais recorrente, o de estender a mão para quebrar a haste e ceifar a vida?
Estender a mão, tocar levemente, sacralizar todas as formas de vida...
Talvez aconteça um dia!

3 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

"Isto" não anda exactamente... "nos trinques" em matéria de saúde oral por estes lados mas fiz absoluta questão, logo que me dei conta das 'novidades' de vir aqui retribuir uma "visita" anterior e, sobretudo, partilhar deliciado das coisas sempre muito belas que aqui invariavelmente encontram abrigo...
Apesar da febre... um enorme beijinho de parabéns pelo bom gosto e pela militância ambientalista!...

Ezul disse...

Um beijinho de agradecimento pelas palavras amáveis e o desejo de rápidas melhoras!
:)

Carlos Machado Acabado disse...

:-)