terça-feira, 24 de agosto de 2010

Verão

Santiago do Escoural

Vem muito a propósito, inserir o texto que  faltava num dia em que as fortes chuvadas provocaram tantas inundações. Porque é neste dia trinta de Outubro, dia em que se fazem sentir os problemas recorrentes das fortes chuvadas, que podemos voltar a questionar as razões do flagelo dos incêndios que transformam os dias de Verão em dias de terror. Acabaram os dias quentes, baixaram as temperaturas, problema solucionado! O Inverno tem destas maravilhas!!! Já os meses de Julho e Agosto...bem, nesses podemos estar tranquilos porque nenhum comerciante verá as suas lojas submersas, não haverá famílias desalojadas por águas  (só pelo fogo mas isso agora....passou à História até se reiniciar o ciclo) que transbordam de ribeiras que não são limpas, por águas que recuperam os leitos usurpados, não haverá pessoas arrastadas por correntes de lama... E o fogo? Crime?Negociatas?Demência? Incúria? Incapacidade física e financeira das populações para limpeza das matas? Ignorância boçal de quem pretende renovar pastagens sem ter capacidade para ponderar os seus actos? Demissão e desorganização das instituições? Falta de civismo do cidadão comum, daquele que continua a atirar a beata pela janela do carro com a mesma indiferença com que atira o lixo e as garrafas de cerveja, ou que escarra no chão e urina na via pública?
A água e o fogo...uma só realidade!

2 comentários:

argumentonio disse...

sempre quis fazer uma fotografia assim...

já nem me refiro às demais, as de azul e violeta, ao floridos e pormenores, os cavalos, como em câmara lenta, tudo resultado de um olhar próximo da serenidade e de grande afeição aos locais, momentos e chamamentos que um instante feito registo e partilha permite saborear e, ainda que em mera ilusão, reconstruir o mesmo olhar e, quem sabe?, a mesma serenidade

belíssimo

;_)))

Ezul disse...

Agradeço o comentário e peço também desculpa pela demora na sua publicação mas só hoje me lembrei de vir aqui espreitar. Passou bastante tempo desde a ultima vez que parei para olhar e ver a terra, talvez o calor sufocante tenha mirrado a vontade...talvez aguarde campos verdes, o início de novos ciclos...
De qualquer forma, seja bem vindo!
:)))