domingo, 24 de outubro de 2010

Cores de Outono



Bem no centro da cidade, o Outono revela a cor espantosa desta folhagem, um tom muito semelhante ao  que terão, em breve, as árvores de que falo a seguir; uma mancha de extraordinária beleza que importa celebrar numa estação do ano  que o senso comum diz ser de tristeza... uma mancha de cor para nos reavivar a vontade nos dias que correm, dias em que constroem o nosso desencanto. 


Estas árvores encantam-me! Seja do verde escuro das suas folhas, do laranja vivo dos frutos, ou da composição de ambos, a verdade é que as considero umas das mais belas espécies que enchem de cor os quintais e os pomares.  Há poucos dias, ao vê-las numa quinta, carregadinhas de frutos bem maduros, muitos deles já abertos ou caídos no solo, de polpa bem gelatinosa e a prometer acúcares ao paladar, duvidei da minha aversão antiga e resolvi experimentar de novo. Decididamente, limitar-me-ei a admirar-lhes a cor e a fotografá-los! Mas não posso deixar de lamentar o desperdício que representa aquele chão onde se acumulam todos os frutos que não são aproveitados para consumo humano ou animal, já que alguns também são utilizados na alimentação das aves da quinta. Num período em que as dificuldades económicas se fazem sentir  e em que se torna imperativo rever a utilização dos recursos, pena é que os produtores locais continuem a enfrentar tantas dificuldades e entraves ao escoamento da sua produção. Afinal de contas e apesar das alterações climáticas, a Natureza ainda continua a dar provas de uma generosidade que o homem continua a não querer ou a não deixar aproveitar.

5 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

Que belas cores!
Que magníficos vermelhos!
E que esplêndido ezul que se desprende de tudo quanto aqui vai amorosamente sendo registado!...

Ezul disse...

São cores que se tornam mais vivas com o olhar e a voz de quem por aqui passa!
:)

Vieira Calado disse...

****

Saudações poéticas...

outonais...

****

Carlos Machado Acabado disse...

:-)

Ezul disse...

O Outono, se soubermos ver, está cheio de poesia!
E de sorrisos!
:)))