quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Compostagem

A primeira vez que ouvi falar de compostagem, decidi experimentar, o que me permitiu reduzir o volume dos resíduos que deitava para os contentores do lixo e, ao mesmo tempo, me ajudou a obter matéria para fertilizar as mini hortas que vou cultivando quando o clima e o tempo livre permitem. Numa simples caixa de madeira fui depositando restos de legumes que se transformaram numa pasta fétida cuja grande vantagem consistiu na possibilidade de observar algumas aves que ali procuravam debicar umas migalhas de pão.


A adição de resíduos por camadas (verdes e secos)

Actualmente, o contentor e as informações obtidas na actividade organizada pelos Dias Tranquilos, realizada no núcleo ambiental dos Baldios, foram o ponto de partida para desenvolver o processo com todos os preceitos. Os resíduos verdes e secos são colocados de forma alternada, a humidade é verificada, assim como a temperatura, e a matéria em decomposição vai sendo remexida periodicamente para facilitar a oxigenação. O próximo passo será tentar obter borras de café para misturar mas, para já, tal não é necessário pois não surgiram odores desagradáveis, muito pelo contrário, uma vez que as laranjas que vão caindo das árvores vão sendo aproveitadas e vão aromatizando a mistura. Nem sempre sobra o tempo necessário para dar uma olhada ou para acrescentar mais alguns resíduos mas a verdade é que aquele contentor acaba por ser uma ajuda preciosa para eliminar as ervas e os restos que se vão acumulando diariamente. Aguardo, com expectativa, o produto que dali sairá e que espero que seja semelhante ao composto que pude observar na acção sobre compostagem. Assim sendo, cascas de batatas, de bananas e folhas secas, entre outros elementos, ainda hão-de alimentar futuras plantações de nabiças e vasinhos de aromáticas, para o bem do planeta e da minha bolsa, em tempo de crise.



A demonstração

A recolha dos resíduos


A actividade prática - pequenos troncos para dar estrutura ao composto e permitir a sua oxigenação

Uma forquilha para ir  acomodando ou misturando os resíduos

A adição de matéria seca

A utilização da vara de madeira para verificação da temperatura

Adicionar água na quantidade certa

Um compostor fácil de ter em qualquer  quintal ou  jardinm

2 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

Excelentes [e utilíssimas!] 'dicas'!
Que pena o alheamento generalizado!
Se fosse uma catástrofe com muitos mortos ou unma "novela" da TVI, não é?...

Ezul disse...

Mas as mudanças começam a partir de umas sementinhas que germinam e se propagam. Esperemos que estas, as boas, dêem fruto!
:)))