quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

À lareira


Vamos lá ver como param as modas ali pela horta mas, antes disso, se me permitem, façamos um pouco de história para que não comecem desde já a chamar-me gato vadio.

Não há, por mais que ande na ponta das patas e as sacuda com zelo, sítio seco onde pouse as minhas almofadinhas. É um desconforto dos grandes! O musgo está molhado, as pilhas de lenha estão molhadas, o telhado da capoeira escorre água…e o Bolinhas Rabicho aparece lá com ganas de me fincar aqueles dentes bem aguçados, a mim, que sou de paz e que já me queixo das articulações…





Nem os gansos têm um ar muito amistoso. Fazem uma barulheira danada que me acaba com a sesta, sempre que consigo enroscar-me dentro de um cortiço velho esquecido ao canto da oficina. Vai daí, ala para a cozinha, que está quentinha e seca, e acomodo-me no meu amigo mocho, ali mesmo em frente da lareira.






 Enrosco-me. Adormeço. Estremeço. Acordo. Espreguiço-me. Volto a adormecer. E sonho. Oh, se sonho! Com o quê?! Isso não conto, que sonhos de bichano não alegram leitor humano!

Espreguiço-me muito, isso sim, para desentorpecer os músculos. Sempre finjo que sou uma fera - “Olha os meus belos caninos!” - mas não tenho tempo para fantasias porque sou um gato asseado e já me atrasei para a décima quinta sessão de lambidela do pêlo.



E é assim esta minha interessante história de uma tarde de Inverno no Monte das Gigantas. Mas o que interessa afirmar aqui é que também não sou um gato borralheiro porque não fico a malandrar por muito tempo. Assim que o sono mais urgente é satisfeito, dirijo-me ao trinco da porta, pressão da patinha e claque, claque, passem bem que vou ver dos ratos ou de um pardalito mais apardalado…
Pois...lá pacífico sou, mas sou gato!

6 comentários:

Carlos Machado Acabado disse...

Tch-tch! Se "isto" já está como está para as pessoas, imagine-se para os gatos, eles que nem têm direito de voto reconhecido, para poderem correr de vez com os Socra-gatos e Socra-gansos que pelo mundo deles vagueiam na forma da humidade, de patos [bravos? Também por lá?!!!] e vá lá a gente saber que mais!...
Felizmente que há, pelo menos, gente compreensiva e boa que sempre lhes vai publicando excertos da "Autobiografia" para que o seu drama não passe ignorado...

Um beijinho à imaginativa editora destas "Memórias" cujos volumes subsequentes, ficamos todos ansiosos por conhecer...

Carlos Machado Acabado disse...

Belíssimas imagens as do céu visto através da teia ou da renda formada pelos ramos da árvore!
Toda a subtil delicadeza da primavera muito bem capturada na imagem!

Carlos Machado Acabado disse...

Oops! Sorry! Wrong picture, wrong caption!...
This one obviously refers to the next two pictures, those of the luminescent sky seen through the branches of the beautiful tree...

Ezul disse...

Pois é, uma vez fiz o mesmo, troquei a mensagem quando fiz o comentário. Mas o que conta é mesmo a intenção,não é verdade?
Beijinho!
Ah, a imagem é mesmo do final do mês de Dezembro. Afinal, até em pleno Inverno se encontra um pouco de Primavera, se soubermos olhar para o sítio certo!
:)))

Ezul disse...

Ah! Realmente,a situação dos animais de estimação neste contexto de crise preocupa-me bastante. Se hoje em dia as coisas já são como são e os animais são abandonados e maltratados sem vergonha ou impedimento da parte das autoridades competentes, o que será deles nos próximos tempos? Idosos, desempregados, trabalhadores precários, cidadãos honestos ...e os animais...
Faço votos para que todos os que guardem um pouco do sentido de humanidade e de solidariedade ajudem no que puderem, não por se sentirem envergonhados das suas acções mas para ajudarem a minorar o que a falta de vergonha de outros (Claro que me estou a referir à situação política e económica deste País) provoca.
Um Bom Ano para as pessoas de boa vontade e de boas práticas!
:)

Sofá Amarelo disse...

Que é gato vê-se pela personalidade! São eles os bichinhos mágicos que nos fazem companhia, nunca deixando de prezar a sua própria liberdade!